Quando devo levar a criança ou adolescente ao pronto-socorro?

Uma dúvida bastante comum é: Quando devo levar a criança ou adolescente ao pronto-socorro? A resposta resumida é: Quando não estiver seguro(a) de ficar em casa com o paciente, quando tiver uma dúvida ou quando notar piora dos sintomas, mesmo tomando as medidas já orientadas pelo pediatra que acompanha essa criança ou adolescente.
Ainda assim, existem algumas colocações que devem ser avaliadas antes de levar a criança.

O pronto-socorro (PS) é um local altamente contaminado por vírus e bactérias, levados lá por outros pacientes e quase sempre, tem alguém lá com uma doença mais grave do que a sua, portanto pese bem se realmente é necessário levar ao PS, se o quadro está leve ou muito inicial (1º dia de febre – leia as orientações sobre febres deste site).

Quando a criança vai ao PS num estágio muito inicial da doença, o organismo ainda não teve tempo suficiente para preparar suas defesas e mostrar ao médico o que pode estar acontecendo (como pus em garganta ou ruído de pneumonia nos pulmões), e então o diagnóstico dado é geralmente “virose”, com orientações de observação e retorno se piora. Tem vezes em que o retorno após 1-2 dias ocorre exatamente por sido exposto a alguma outra bactéria ou vírus, já estando debilitado inicialmente, e portanto, levar ao PS foi o que piorou o quadro.

Todas as doenças têm o seu desenvolvimento normal, natural, com sintomas iniciais, seguidos por melhora ou piora. Em vários casos, os sintomas de pus em garganta, por exemplo só irão aparecer após 2-3 dias do início do quadro. Fica bastante difícil fazer um diagnóstico preciso apenas com os sintomas iniciais, que são comuns a várias doenças.

Outro aliado importante é o pediatra de rotina, pois ele já viu o paciente algumas vezes e provavelmente pode dar orientações valiosas que auxiliam o paciente e acalmam os pais, enquanto tenta algum tratamento inicial. Se os pais não conseguem contato facilmente com o seu pediatra, esse é um fator que pode fazer com que a criança seja levada ao PS mais vezes, sendo exposta talvez desnecessariamente.

Mais um assunto é não medicar em casa, antes de ir ao PS, seja para o médico ver quais são os sintomas, seja para tentar passar na frente por ser classificado como quadro mais grave, por estar cansado ou com febre. Sugiro não fazer isso, pois além de manter o desconforto do paciente, esse tratamento inicial pode ser exatamente o que vai garantir que o paciente fique apenas em observação por 1-2 horas, ao invés de ter de ser internado por 24-48 horas.
Resumindo: Leve sempre que tiver dúvida ou desconforto em ficar em casa, mas tente o contato com o pediatra que acompanha o paciente e siga as orientações iniciais já deixadas pelo médico.