Traumas (pancadas) na cabeça

Toda criança ou adolescente, em algum momento, infelizmente, acaba por receber um trauma na cabeça, seja por uma queda simples, seja por um acidente ao brincar ou até mesmo um acidente automobilístico. Sempre que isso ocorre, ficamos preocupados com o que já escutamos de histórias assustadoras sobre esse tema.

Na realidade, existe um pouco de exagero sobre o assunto, mas é bom para poder esclarecer algumas dúvidas. A principal é se foi grave ou não e se deve ser levado ao Pronto-Socorro (PS) imediatamente ou não.
Os sintomas de gravidade nesse caso podem ocorrer logo após o trauma, ou podem demorar até 48 horas para efetivamente surgirem, assim sendo, após um trauma crânio-encefálico (TCE), devemos manter observação por essas 48 horas. Esses sintomas mais sérios, em geral compreendem:

-Desmaio ou perda de consciência, confusão mental ou perda de equilíbrio – se isso ocorrer, vá ao PS.
-Convulsão, movimentos involuntários ou perda de movimentação ou sensibilidade em algum local do corpo – se isso ocorrer, vá ao PS
-Vômitos em vários episódios, sejam em jatos ou não. Cuidado apenas com o fato de que logo após o trauma, geralmente as crianças choram bastante, ficam assustadas e acabam por vomitar 1 ou 2 vezes, mas neste caso, é diferente de vários episódios de vômito.

-Sangramento pelo ouvido, que é sinal de trauma nos ossos que ficam na base do crânio – se isso ocorrer, vá ao PS.
-Pupilas de diferentes tamanhos entre elas – se isso ocorrer, vá ao PS.

-Sonolência a ponto de não conseguir ficar acordado ou não responder a um estímulo. Geralmente escutamos que “se bater a cabeça, não pode deixar a criança dormir”. Na realidade, ao bater a cabeça e chorar, é liberada uma quantidade de adrenalina na corrente sanguínea, que depois de algum tempo, faz um efeito inverso, que é a sonolência. Portanto, se a criança quiser dormir, pode dormir, e ao dormir, faça um estímulo “cutucando” as costelas, cócegas nos pés ou um beliscão (de leve) para provocar alguma reação. Se essa reação ocorrer, mantenha a observação, mas pode deixar dormir – Se não apresentar reação alguma a esses estímulos vá ao PS.

Nestes casos, geralmente é solicitada uma tomografia computadorizada de crânio, para investigar se há dano no tecido cerebral. Se estes sintomas não estiverem ocorrendo, normalmente não vale a pena solicitar a tomografia, pela grande quantidade de radiação a que será exposto o paciente. Também geralmente, não é necessário solicitar Raio-X de crânio, pois o mesmo mostra apenas se há ou não fratura no osso, sem mostrar as alterações no cérebro, e se o médico suspeitar de fratura, provavelmente irá solicitar a tomografia.

Caso opte por manter a observação, vida normal para o paciente, apenas com compressa fria no local do trauma, anti-inflamatório ou analgésico se orientado pelo pediatra de rotina, com orientação ainda de repouso relativo, apenas para evitar novos traumas no mesmo local.